quarta-feira, 22 de maio de 2013

Go with the flow

Acredito que alcancei o tal ponto de "maturidade" que sempre me falaram, e no fim descobri que não é tão complexo quanto imaginava. As contas, a casa, a profissão maravilhosa que escolhi e me adaptei, são parte do conjunto que minha vida passou a ser. Não há mais tanta dor, ressentimento ou arrependimento. Quando olho para trás vejo um aglomerado de coisas disformes que formam meu passado, e essa massa não me assusta mais. Sinto falta dos amigos é claro, mas isso também é uma questão de tempo para eu poder estar mais perto deles. A sensação de sair da cama e fazer aquilo que se gosta é inexplicável, talvez a única definição de sucesso que eu realmente reconheça seja essa : viver fazendo aquilo que se ama.
Sou grato pela gigantesca evolução que passei em um período tão curto de tempo, sou grato pelas pessoas que me apoiaram nas minhas decisões e sonhos. Sou grato por cada dia que passo nessa cidade, seja chuvoso ou ensolarado. Parei e pensei. Vi que os problemas ou as escolhas que eu não fiz no passado não podem mais ser feitas então eu simplesmente deito minha cabeça no travesseiro e me deixo ir com a maré...
Eu nunca soube escrever.




Happy B. Day.

segunda-feira, 15 de abril de 2013

time

Sempre tentei entender, sempre me arrisquei em busca do que penso ser uma total loucura.
Não sei se é culpa das amadas toxinas que vivem em mim, ou vivem por mim. Ato inútil, fútil.
Fragmentos, pequenos fragmentos colidindo o tempo todo com meu espaço, com o vazio que ele deixa.
Não sei mais escrever, me resta imaginar, regravar como uma fita velha abandonada em um cômodo qualquer de um asilo abandonado. Não sobrou reclamações.

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2013

Pele, Ossos e Tinta.

Não há nada para reclamar, e isso me faz pensar em por que ainda mantenho esse blog medíocre. Da vida que levava, só trago a fumaça. Não fiquei rico, não matei ninguém, mas a vida se tornou uma coisa ótima. Quando iniciei essa página (ou seja lá como diabos você preferir chamar isso), não poderia nem de longe sonhar que o título que aleatoriamente escolhi, se tornaria
minha realidade. Isso me mostra que não importa o que você faça, ou o quanto corra, não dá pra fugir do que é para ser seu. Se a tristeza era o combustível de todas as arrastadas palavras que joguei por aí, agora sou um tanque vazio. Não me importo mais. Não me arrependo das decisões e das escolhas que me trouxeram para tão longe, na verdade, sinto todos os minutos do dia que meu lar sempre foi aqui (ao lado dela). Não vou voltar, não vou escrever se não houver motivo, e muito menos reclamar.
De agora em diante o que me resta e me anima, é escrever a história da minha vida, não mais no papel ou no computador, mas sim na pele daqueles que ousarem cruzar meu caminho.


(Eu sempre soube que nasci para transformar a dor, em arte.)

quarta-feira, 30 de janeiro de 2013

How am I driving?

É, realmente as palavras fazem falta para descrever certas coisas. Não há nada que eu possa digitar nesse pedaço de plástico que descreva o que eu sinto. Obrigado, sim, acho que obrigado é o mais próximo que eu conseguirei colocar aqui.
Obrigado por amar meu cheiro de bar sem reclamar, obrigado por não brigar quando pego por engano o isqueiro de acender o fogão, por não reclamar quando peço aulas de direção para buscar cigarros. Obrigado por entender que o mundo funciona dessa forma louca, e que a melhor coisa a se fazer é sair fora disso tudo. Obrigado por me explicar trocentas vezes coisas que confundem minha cabeça, por me lembrar de sempre pisar na embreagem pra não quebrar a marcha. Obrigado por acreditar que eu poderia desenvolver responsabilidade ( e maturidade). Obrigado por entender que eu poderia escrever um livro só com a palavra obrigado, e mesmo assim estaria longe de expressar tudo o que a gente vive
Obrigado por acordar sempre sorrindo ao meu lado.
Obrigado, meu amor.

sexta-feira, 11 de janeiro de 2013

Noiseless

Eu sinto aquilo ecoando nas paredes do meu peito, ou talvez, seja apenas a ausência total de som mostrando suas garras. Eu sinto, eu sei, eu irei.

sexta-feira, 23 de novembro de 2012